Colunistas

Mãe se sente sozinha?

É uma contradição dizer que ter companhia 24 horas, sem interrupção, é algo solitário.
A jornada de uma mãe em tempo integral, para quem está de fora, parece até um sonho. Afinal de contas, essa mãe passa o dia todinho em casa,  não tem obrigações nem horários a cumprir ou um chefe mau-humorado cheio de afazeres para que ela cumpra.
 
Porém, quem pensa assim, desconhece a realidade pois, uma mãe em tempo integral é o ser que mais tem obrigações no mundo! Além de dar atenção, cuidar, alimentar e educar uma criança, que é totalmente dependente, ela tem que se virar nos 30 pra dar conta do funcionamento do lar: lavar roupas, fazer comida, arrumar a casa, depois lavar mais roupas e fazer mais comida e arrumar a casa novamente.
E assim segue em seu círculo vicioso…
Mas não são tarefas isoladas, são tarefas conjuntas, pois enquanto ela faz com que o lar funcione, ou pelo menos não naufrague, a criança está querendo brincar, ou buscando colo, ou com sono, entre outras coisas.
 E por que é solitário?
Já que essa companhia é leal e não se afasta nem por um segundo sequer?
É solitário porque, por perfeição da obra divina, a mãe é alguém insubstituível, ninguém, nenhuma outra figura pode apagar da mente de uma criança a imagem de sua genitora, cuidadora, aquela que a pouco tempo era tida como parte do seu ser.
Desempenhar o papel de mãe, qualquer pessoa (com umas doses extras de amor, paciência, dedicação etc.) pode, basta querer ser mãe de fato. Sabendo que será a referência para criança, sendo o exemplo que este pequeno ser vai seguir,  por isso é solitário, a mãe não tem para quem transferir a responsabilidade, por diversas vezes tudo que essa mãe gostaria era ter privacidade, estar sozinha, acompanhada de si, mas não dá. 
Embora por muitas vezes seja desgastante, certamente é um sacrifício que valerá a pena pois a criança desenvolverá laços e conhecerá a importância de dar e receber carinho e atenção, de se comunicar, de se fazer entendida. Ela levará esse aprendizado para toda a vida e com certeza chegará o momento em que a cria já não será mais criança e vai querer estar sozinha e conhecer e aceitar os desafios que o mundo irá propor.
E a mãe?
Tudo que a mãe vai querer é estar perto novamente, é grudar novamente em seu eterno bebê e aproveitar cada minuto que puder. Então, já que pode grudar agora, aproveita. Muitas mães gostariam de ter esta oportunidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *