Colunistas

Vida de uma mãe em tempos de Coronavírus

Olá!

Esse post começou a ser pensado há algumas semanas, quando começou a se falar no Corona Vírus. De lá para cá, as notícias deixaram de ser “notinhas” no jornal para ocuparem toda a programação da TV, dos jornais, do Instagram…

De lá para cá, o que era distante, atravessou o atlântico e chegou ali, em Salvador, com casos confirmados – e até mesmo aqui, no Rancho Fundo, com escolas, academias e até o comércio fechado.

No momento que escrevo, estamos todos em casa. Só o marido sai, para resolver as poucas urgências do dia a dia. Nos meus poucos momentos de “nada”, em que abro o telefone, sou assolada com publicações que urgem que esse é o momento de fazer o doutorado virtual, aprender alemão em 40 dias, implementar um cardápio digno de restaurante 5 estrelas, aprender tricô, trança francesa e, finalmente, assistir todos os filmes e séries da minha lista de desejos na Amazon.

E eu, aqui sentada, olhando para a minha pia e com uma xícara de café (um das poucas que consigo tomar), só penso: quando vou ter ânimo para isso, depois de limpar a cozinha, fazer 232453 lanches, limpar a cozinha, amamentar, fazer mais lanches, dar banho, pentear cabelo, trocar fralda, apontar lápis, e fazer mais lanches, e limpar a cozinha novamente… bem, vocês me entenderam…

Comecei a pensar, então, na carga emocional que é colocada nas mães: é preciso “abraçar” o mundo, ser boa profissional, ter imagem corporal impecável… e o nosso psicológico, com medos, angustias, cansaço, dores no corpo, etc. deve ser guardado em uma gaveta, na prateleira mais alta, para que não precisemos sequer lembrar deles!

Bom, deixa te contar um segredo, que aprendi da forma mais difícil: TUDO BEM ESTAR CANSADA, TER MEDO, NÃO QUERER COZINHAR UMA REFEIÇÃO SEM GLÚTEM, SEM LACTOSE, SEM AÇÚCAR… Não precisamos ser cruéis conosco! Às vezes, se manter produtiva é conseguir manter o chão sem migalhas, ensinar o filho a amarrar o cadarço, dormir sem louça suja no final do dia…

Me lembrei, então, de quando conheci o método de organização Fly Lady.
Na época, eu achava que manter a casa arrumada era usar o pouco tempo que eu tinha disponível para faxinar tudo-tudo-tudo. Eu tinha certeza que o fundo do poço da minha carreira seria ficar em casa, como mãe em tempo integral. Ainda luto contra aquela vozinha que fica, como um pernilongo no ouvido, dizendo que ficar em casa não é suficiente, que é preciso limpar mais, que as crianças precisam ser melhor cuidadas…

Ai repito o mantra do método: O que quer que você faça pela sua casa, abençoa seu lar.
Para você que me lê agora, te deixo um carinho (já que abraços, beijos e afins estão temporariamente cancelados :D) e te convido a ficar ligada nessa bat-coluna! Nos próximos posts, vamos conversar sobre como pensar na organização da casa de forma leve e sem aquele chicote que parece assombrar as palavras “arrumar a casa”. 

Maaaaaasss, enquanto isso… que tal aproveitar para conferir a carteira de vacinação e os demais documentos dos moradores da casa?
Se você precisasse correr para um pronto socorro, você teria todos esses documentos à mão? Então, previna-se e já digitaliza os benditos, salva em uma pasta na nuvem e agrupe-os em uma pastinha! 

E, como nunca é demais lembrar, lave bem as mãos e fique em casa!

Um xêro virtual, 

Beca.

Por a colunista Rebeca Pinho
 @acasadateacher

Colunista quinzenal
Falando sobre maternagem e organização doméstica, de forma leve e bem humorada!

 

Gostou do post? Deixa aqui nos comentários!
Você também ode gostar desse: Uma mãe prevenida…

Siga-nos em nossas redes sociais:

Instagram
Facebook
Pinterest

Participe do nosso grupo no whatsapp: Participar!

 

VEM SER UMA MÃE EMPREENDEDORA DIGITAL: Participa do nosso Grupo VIP no WhatsApp (Link na BIO do @maeempreendedoradigital_) que te conto como você pode trabalhar no conforto da sua casa, pertinho de seus filhos e ainda assim conquistar sua independência financeira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *